sábado, 1 de setembro de 2018

Ex-tesoureiro do Pros acusa Ciro de integrar esquema da JBS Em entrevista à Revista Veja, Niomar Calazans acusou Ciro de "conhecer e participar" de irregularidades. Ele admite, no entanto, não ter provas


Foto: Fábio Lima/O POVO
O ex-tesoureiro do Partido Republicano da Ordem Social (Pros), Niomar Calazans, acusou o candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, de conhecer e participar de suposto esquema de corrupção envolvendo a JBS e o governo do Ceará. O caso, envolvendo financiamento de campanhas eleitorais em 2010 e 2014, é alvo da Lava Jato. A informação é da Revista Veja.
 
 
"O Ciro Gomes sabia e participava, com certeza", disse Niomar, que comandou transações financeiras do Pros - sigla dos irmãos Ferreira Gomes entre 2013 e 2015 - durante período em que teria funcionado o esquema. Ainda segundo o ex-tesoureiro, Ciro teria ido pessoalmente a Brasília em 2014 para "comprar" o diretório do Pros no Ceará por R$ 2 milhões.
 
 
Suposto esquema da JBS no Ceará  foi revelado em maio de 2017, em depoimento de delação premiada de Wesley Batista, ex-dirigente do grupo, na Lava Jato. Segundo ele, o então governador Cid Gomes (PDT) teria condicionado liberação de créditos de empresas do grupo com o estado em troca de R$ 20 milhões em doações à campanha de Camilo Santana (PT).
 
 
As propinas teriam, segundo Wesley, sido intermediadas pelo secretário Arialdo Pinho (Turismo) e pelo deputado Antônio Balhmann (PDT). O caso se encontra em fase de inquérito na Polícia Federal do Ceará. Na última terça-feira, Calazans teria prestado depoimento como testemunha em outro inquérito, que apura falsificação de documentos do Pros.
 
 
"Todo mundo sabia (do esquema no Ceará). Eles fizeram uma jogada lá, e o dinheiro veio desse acerto com os empresários", disse Calazans à Veja. Questionado sobre quem seria "todo mundo", o ex-tesoureiro é taxativo: "Cid Gomes, o Ciro, o governador Camilo Santana, o Euripedes Junior, o Arialdo Pinho, o Antônio Balhmann e todos os aliados que usaram o dinheiro na campanha".
 
 
O próprio Calazans, no entanto, admite não possuir quaisquer provas do envolvimento de Ciro Gomes nas denúncias. "Prova material eu não tenho (...) meu compromisso é com a verdade. Aquilo que me for perguntado e de que eu tiver conhecimento, vou falar sem restrição alguma", disse o ex-tesoureiro, que foi expulso do Pros em 2015 após desentendimentos com Euripedes Júnior, à Revista Veja.
 
 
A reportagem procurou Arialdo Pinho, Antônio Balhmann e Euripedes Júnior, mas não obteve retorno. Na época em que foi citado, Arialdo destacou que não responde a nenhum procedimento formal de investigação ou acusação em processo judicial. "A citação ao meu nome foi feita, até o presente momento, em uma delação, que são palavras", diz.
 
 
Ciro rebate acusação
 
 
Em nota oficial divulgada na noite de sexta-feira, 31, Ciro Gomes rebateu acusações da Revista Veja e disse que irá processar tanto a publicação quanto o ex-tesoureiro do Pros.
 
 
"Nunca me envolvi em qualquer tipo de corrupção, ilegalidade ou imoralidade ao longo dos meus 38 anos de vida pública (...) vou processar criminalmente essa revista moribunda e o tal entrevistado que está, flagrantemente, mentindo a serviço de interesses clandestinos".

CARLOS MAZZA
FONTE:https://www.opovo.com.br
Postar um comentário

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

Comentarios