quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Ciro acusa PT de traição e pede esquerda que não ‘tape nariz’ para corrupção Ex-ministro afirma que lulopetismo se transformou em 'caudilhismo corrupto e corruptor' e quer novo campo à esquerda que combata a 'hegemonia petista'

Criticado por não ter explicitamente declarado voto em Fernando Haddad (PT) no segundo turno, o ex-ministro Ciro Gomes, que disputou o Planalto pelo PDT, justificou a sua posição em uma entrevista ao jornal Folha de S.Paulo publicada nesta quarta-feira. Para ele, apesar de ter se colocado contra Jair Bolsonaro (PSL), não faria sentido defender o voto em Haddad uma vez que não está mais disposto a “fazer campanha para o PT“.
Na sua visão, ele foi coerente com o que sustentou no primeiro turno. “A gente trai quando dá a palavra e faz o oposto. Quem tiver prestado a atenção no que falei, está muito clara a minha posição de que com o PT eu não iria”, diz.O pedetista demonstrou ressentimento do ex-aliados, citando especificamente o episódio do acordo entre petistas e o PSB, quando, apesar de não conseguir a adesão da legenda, o PT sacrificou a sua candidatura ao governo de Pernambuco com o objetivo de garantir que o partido não apoiasse Ciro, isolando-o. Para o ex-ministro, neste momento o “PT elegeu Bolsonaro”.
“Você imagina conseguir do PSB neutralidade trocando o governo de Pernambuco e de Minas? Em nome de que foi feito isso? De qual espírito público, razão nacional, interesse popular? Projeto de poder miúdo”, disse, culpando “o ex-presidente Lula e seus asseclas” pelo que ele chama de “traição”. “Fomos miseravelmente traídos. Aí, é traição, traição mesmo. Palavra dada e não cumprida, clandestinidade, acertos espúrios, grana”, argumentou.Na visão de Ciro, foi o lulopetismo se transformou em um “caudilhismo corrupto e corruptor” responsável por dar impulso a uma força política antagônica, uma “histeria coletiva” que levou o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) a ser eleito no último domingo. O ex-ministro disse ser falta de “sobriedade e modéstia” falar em uma nova candidatura à Presidência em 2022, mas deixou claro que voltou atrás em um discurso no qual anunciava que, caso Bolsonaro fosse eleito, ele deixaria a vida pública.
“Depois de tudo o que acabou acontecendo, a minha responsabilidade é muito grande. Não sei se serei mais candidato, mas não posso me afastar agora da luta. O país ficou órfão”, disse ao jornal.
fonte:https://veja.abril.com.br/
Postar um comentário

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

Comentarios