terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Inflação anual na Venezuela supera 1.000.000%, segundo Assembleia Nacional Cidadãos dizem que não podem pagar itens básicos mesmo com um aumento de 60 vezes no valor do salário mínimo neste ano

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

Nicolás Maduro: presidente venezuela enfrenta crise política e econômica (Manaure Quintero/Reuters)

Caracas – Os preços ao consumidor da Venezuela subiram 1,3 milhão por cento no ano nos últimos 12 meses até novembro, informou nesta segunda-feira a Assembleia Nacional, que é controlada pela oposição, à medida que a hiperinflação e a recessão econômica vêm pressionando o país-membro da Opep.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) previu, no início deste ano, que a inflação superaria 1 milhão por cento em 2018 e 10 milhões no próximo ano. A inflação mensal desacelerou para 144 por cento em novembro, de 148 por cento no mês anterior e 233 por cento em setembro, informou a Assembleia Nacional em um relatório.

O presidente socialista Nicolas Maduro aumentou no mês passado o salário mínimo mensal em 150 por cento, para 4,5 bolívares, menos de 10 dólares na taxa de câmbio do mercado negro. Os cidadãos reclamaram que não podiam pagar itens básicos, apesar de um aumento de 60 vezes no valor do salário mínimo em agosto.

A Assembleia Nacional tornou-se a única fonte confiável de dados sobre preços ao consumidor desde que o governo parou de publicar indicadores econômicos anos atrás, já que a queda dos preços do petróleo causou um recuo na atividade. O FMI tem pressionado a Venezuela para fornecer dados econômicos oficiais, disseram fontes no mês passado.
FONTE:https://exame.abril.com.br/

0 comentários:

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

Comentarios