segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Justiça aceita denúncia para classificar o PT como Facção Criminosa

Justiça aceita denúncia para classificar o PT como Facção Criminosa

A quadrilha petista disse que a denúncia se trata de uma perseguição política

Na última sexta-feira (23), a justiça federal decidiu acatar a denúncia feita pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para classificar o PT como uma organização criminosa. Com a denúncia, toda a cúpula do PT, até a ex-presidente Dilma Rousseff passará a ser réu.A acusação feita por Janot é embasada no argumento de que, durante os 14 anos de governo da facção criminosa, a Petrobras teria sido lesada em quase R$ 1,5 bilhões e, o esquema criminoso, teria possibilitado vantagens para outras organizações, como a Odebrecht, OAS e a Camargo Corrêa.
Também, a denúncia relata que os líderes da organização, Lula e Dilma, teriam ajudado outras três ‘quadrilhas’, o PP, o ‘MDB da Câmara’ e o ‘MDB do Senado’. Os desvios do PP teriam chegado a R$ 391 milhões; os do MDB do Senado, R$ 864 milhões; e os do MDB da Câmara, R$ 350 milhões.Contudo, a quadrilha petista declarou que a denúncia se trata de uma perseguição política…
Veja parte da nota publicada pela Executiva Nacional do PT:
“Quem vem atuando como verdadeira organização fora da lei no país, já há alguns anos, são setores partidarizados do Ministério Público e do sistema judicial, que perseguem o PT e suas lideranças com acusações sem pé nem cabeça, com o objetivo de criminalizar o partido.” 
 Só faltou colocarem a culpa na Dona Marisa, na CIA ou no Bolsonaro.

fonte: VEJA
Postar um comentário

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

Comentarios