terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Ministro do TSE 'fica de costas' dura hino em diplomação de Bolsonaro, e viraliza AMAZONAS


RIO - Na cerimônia de entrega do diploma eleitoral ao presidente eleito , Jair Bolsonaro, nest
feira, o ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Admar Gonzaga Neto, preferiu car
de c
plateia formada por 700 autoridades e convidados, quando foi anuciado que seria executado
nacional brasileiro. Admar voltou-se para a bandeira nacional, hasteada no plenário do tribun que o hino começou a tocar. O gesto solitário logo fez o ministro car entre os assuntos mai comentados nas redes sociais. Ao GLOBO, Admar explicou o motivo: — Eu sempre canto o hino olhando para a bandeira — disse. No Twitter, o fato de o ministro ter cado de costas causou surpresa e gerou tanto críticas q elogios. O perl ocial do TSE ressaltou que Admar estava de frente para "o símbolo do país respeito à bandeira nacional. É impressão minha ou na diplomação que acontece agora do Bolsonaro no TSE tem um juiz de costas?! Se for isso, já amo — Clara (@cnCosta10) 10 de dezembro de 2018 Foto: Reprodução/Twitter Foto: Reprodução/Twitter A Lei 5.00, de 1971, que regula a forma e a apresentação de símbolos nacionais, arma que, execução do hino nacional, "todos devem tomar atitude de respeito", de pé e em silêncio."Os sexo masculino com a cabeça descoberta e os militares em continência, segundo os regulam respectivas corporações", diz o texto, sem especicar se há necessidade de se voltar para a nacional. O manual de eventos do Senado apenas diz que todos devem car de pé durante a execução nacional.
FONTE:https://portaldoholanda.com/
Postar um comentário

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

Comentarios