segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

Aline Barros presta depoimento na justiça após acusação de assédio moral

Cantora gospel Aline Barros (Reprodução)
Cantora gospel Aline Barros (Reprodução)
A cantora gospel Aline Barros, prestou depoimento na 4ª vara do Trabalho do Rio de Janeiro, num processo em que é acusada de assédio moral por uma ex-funcionária. Rejane Silva Magalhães, que é ex-backing vocal da artista, acusa Aline Barros de tê-la demitido pelo fato de ela ter assumido ser homossexual.
O processo de número 0100956-67.2017.5.01.0004, segue em segredo de justiça, e já se arrasta desde junho de 2018, quando Rejane decidiu processar Aline Barros.

Entenda

Rejane Magalhães, alega que ao longo dos 10 anos que trabalhou com Aline Barros,  não recebeu férias ou décimo terceiro, mas foi a suposta causa de sua demissão que chamou a atenção de toda a mídia nacional.
Ela disse que Aline Barros à demitiu depois de descobrir sua homossexualidade, e pede na justiça a reparação do “prejuízo” que teve a partir de sua demissão. Ela alega que mantinha em segredo a sua orientação sexual, mas isso veio à tona depois de sua demissão, o que prejudicou sua carreira na música gospel com outros artistas.
Ela pede R$1 milhão em reparação na justiça do trabalho.
Depois que a notícia foi publicada e veiculada no G1, Aline Barros enviou uma nota ao site, esclarecendo sua versão sobre o caso.
Leia a nota na íntegra:
“Após tomar conhecimento do teor da matéria veiculada pelo site G1 no dia de ontem, sinto-me na obrigação de vir a público para refutar as alegações ali expostas. E o faço não somente em respeito ao meu público, mas, em especial, em respeito a todos aqueles que conhecem meu trabalho, minha índole, minha postura e minha fé.
Foi com enorme surpresa e decepção que, meses atrás, tomei conhecimento da existência da reclamação trabalhista movida pela Sra. Rejane Magalhaes que, efetivamente, prestou serviços eventuais de backing vocal em minhas apresentações no decorrer de alguns anos.
Nesse ponto cabe um primeiro esclarecimento: na ação, a Sra. Rejane alega lhe serem devidas férias, décimo terceiro salário e outras verbas mais, em razão de nunca ter tido sua carteira de trabalho assinada. Contudo, a afirmação não corresponde aos fatos, uma vez que NUNCA houve relação de emprego entre aquela profissional e minha empresa. Sra. Rejane efetivamente atuou como backing vocal em minhas apresentações, mas sua atuação se dava unicamente quando sua agenda profissional era compatível com a minha e quando ela assim o desejasse, tendo ocorrido inúmeros apresentações sem sua presença, cabendo dizer, ainda, que durante todo esse período, a mesma atuava como backing vocal de outros artistas.
Ainda mais fantasiosa é a alegação de que nossa relação tenha se encerrado em razão de minha equipe ter tomado conhecimento da orientação sexual da Sra Rejane.
A escolha e contratação dos profissionais que atuam em nossas apresentações, seja aqueles que efetivamente compõe nossa equipe e possuem relação empregatícia conosco, seja aqueles que nos prestam serviços eventuais (caso da Sra. Rejane) se dá unicamente com base em sua capacidade e atuação profissional, não nos dizendo respeito os detalhes de suas vidas particulares, desde que tais detalhes não influenciem no objetivo geral dos eventos.
Aqueles que conhecem minha trajetória sabem da lisura e respeito com que trato os profissionais que comigo atuam, até mesmo porque, sem eles, nunca chegaria onde cheguei e a todos eles sou grata. Ademais, minha crença cristã jamais me permitiria agir de forma ilegal, desleal e/ou preconceituosa com quem quer que fosse, sendo absolutamente absurdas as alegações trazidas na ação judicial e novamente reproduzidas na matéria do G1 datada do dia 30/08/2018.
Por todos esses motivos, renovo aqui minha indignação contra os argumentos fantasiosos, maldosos e irresponsáveis que são apresentados naquela ação judicial, sendo certo que todos os pontos aqui mencionados serão alvo de provas e esclarecimentos que serão oportunamente apresentados em juízo, havendo, de minha parte, a mais plena convicção de que a JUSTIÇA e a VERDADE prevalecerão”. (Aline Barros).

O depoimento de Aline Barros

De acordo com os autos do processo, Aline Barros prestou depoimento no dia 26 de Outubro, e negou que tenha demitido Rejane por essa razão. A audiência era conciliatória, mas terminou sem nenhum acordo.
Leia a íntegra do depoimento de Aline Barros:
DEPOIMENTO PESSOAL DA RECLAMADA ALINE KISTENMACKER BARROS
DOS SANTOS. INTERROGADA, DISSE: que a reclamante começou a trabalhar com a depoente após
o trabalho “Som de Adoradores”, acredita que em 2005; que a reclamante participava de 05/06 shows
mensais; que a duração de cada um era na média de 24 horas, incluído o deslocamento ida e volta e
passagem de som, retornando no dia seguinte; que em algumas oportunidades a reclamante não respondeu
positivamente à convocação para o trabalho; que “várias” vezes a reclamante não atendeu; que estima, em
média, uma vez por mês; que a prática era o pagamento do cachê ao final do evento, em espécie ou
depósito em conta-corrente; que o pagamento era efetuado pela empresa Gênesis; que nos últimos três
anos, em razão da crise econômica, não trabalha mais com backing vocals; que, durante 10 anos em que a
reclamante participou da banda, outros backing vocals também participaram, em duplas ou trios, por
exemplo, Paulo Zuquini e Paloma.
SEM MAIS,ENCERRADO.
FONTE:https://www.ofuxicogospel.com.br

0 comentários:

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

Comentarios