sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

Lula era escandalosamente milionário. Veja a origem de alguns milhões do presidiário



O ex-presidente Lula está preso em Curitiba desde abril de 2017, após ter sido condenado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá. Adicionalmente, o petista teve cerca de R$ 16 milhões bloqueados por determinação da Justiça. Apesar de reclamar da 'dureza', Lula é o principal beneficiário do espolio da ex-primeira dama, Marisa Letícia, de cerca de R$ 11 milhões em dinheiro ou outros bens de pequena monta.

Há quem diga que o petista teria milhões no exterior e ainda contaria com a possibilidade de levantar outros milhões com seus antigos parceiros ditadores ao redor do mundo. Em setembro do ano passado, um filho do ditador da  Guiné Equatorial foi detido ao tentar entrar no Brasil com cerca de US$ 16 milhões em dinheiro e joias. Entre os objetos não declarados que foram apreendidos em duas malas não diplomáticas da delegação composta pelo vice-presidente Teodoro Obiang Mang, US$ 1,4 milhão e R$ 55 mil em espécie, e 20 relógios de luxo, um deles cravejado de diamantes, avaliado em US$ 3,5 milhões. Tudo poderia ser facilmente pulverizado no mercado negro sem chamar atenção das autoridades.

Apenas no Brasil, o ex-presidente Lula conseguiu amealhar uma bela fortuna, considerando apenas a parte identificada pelas autoridades, o petista conseguiu movimentar cerca de R$ 52 milhões em suas contas durante um período de pouco mais de três anos, após deixar a Presidência em janeiro de 2011. Além de ter recebido dinheiro de todas as nove empreiteiras que participaram do assalto à Petrobras investigadas na Lava Jato, o ex-presidente Lula também recebeu dinheiro de outras empresas pouco conhecidas do grande público. Em todos os casos, suspeitas por terem mantidos negócios na estatal justamente durante o período em que repassaram dinheiro ao petista a título de palestras que ninguém viu.

Tem gente enrolada que quanto mais se explica, mais se complica. Com Lula não poderia ser diferente. Após o constrangimento causado pela revelação de que movimentou cerca de R$ 52 milhões nas movimentações financeiras envolvendo o Instituto Lula e sua pequena empresa de palestras, a LILS, Lula ordenou que seu Instituto divulgasse uma lista de outras empresas que também contrataram suas palestras.

A ideia era demonstrar que nem todo o dinheiro que recebeu era de origem suja, como nos casos da Odebrecht, Queiroz Galvão, Camargo Corrêa,  Andrade Gutierrez, Galvão Engenharia, UTC, MRV Engenharia, WTorre e OAS. O tiro saiu pela culatra e a iniciativa acabou levantando novas suspeitas sobre a prática de tráfico de influência.

Entre as outras empresas que contrataram palestras de Lula, algumas levantam mais suspeitas “embaraçosas”, uma vez que Lula não é nenhum especialista na área energética. Veja alguns exemplos abaixo:

- O SINAVAL é a instituição que representa os estaleiros brasileiros instalados em diversas regiões do país. Todos os estaleiros possuem contratos com a Petrobras.

- BTG Pactual é um banco de investimento que participou da compra de ativos da Petrobras na África. Segundo especialistas do setor de petróleo, e funcionários da própria Petrobras, o BTG Pactual pagou pouco para participar como sócio da extração de preciosas reservas no continente africano.

- Centro de Estudos Estratégicos de Angola. Lula é investigado pelo Ministério Público, acusado de influenciar governantes daquele país a assinar contratos bilionários com a construtora Odebrecht com dinheiro do BNDES.

- Endesa, empresa espanhola que atua na distribuição de gás natural e na geração e distribuição de energia elétrica. A empresa também tem negócios com a Petrobras e Eletrobrás.

- Gas Natural Fenosa, empresa espanhola que controla a Ceg, Ceg Rio, Gas Natural Fenosa em São Paulo e recentemente comprou da Petrobras 40% da empresa na distribuidora estatal mineira de gás Gasmig por R$ 600 milhões.

- Iberdrola é uma empresa espanhola que atua na distribuição de gás natural e na geração e distribuição de energia elétrica que também tem negócios com a Petrobras nas áreas de gás e energia de termelétricas.

- GDF Suez, empresa francesa do setor de energia GDF Suez é controladora da Tractebel, que vende energia no Brasil e que doou R$ 1.5 milhões à campanha de Dilma e ao PT.

A GDF Suez foi a empresa líder do consórcio para construção da Usina Hidrelétrica de Jirau, em Rondônia, uma das maiores obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

A GDF Suez tem como acionista o bilionário Alfred Frére, que controla a Astra Oil por meio da Transcor Astra Group. Para quem não se lembra, a Astra Oil era a dona da refinaria de Passadena, no Texas. A refinaria que Dilma deu aval para a Petrobras comprar, o que ocasionou um prejuízo bilionário ao Brasil.

- Grupo Petrópolis, o empresário Walter Faria, dono da Cervejaria Itaipava e amigo de Lula e de João Vaccari. Faria conseguiu empréstimos milionários para a expansão de seus negócios e retribuiu doando alguns milhões ao PT e contratando palestras de Lula.

É possível que Lula ainda tenha alguns belos milhões guardados em algum lugar no Brasil e outros tantos milhões no exterior. Normalmente, que faz coisas erradas tenta fazê-las de forma discreta, sem chamar a atenção das autoridades. Neste caso, Lula pode ter sido bem sucedido em ocultar outros possíveis milhões.
FONTE:https://www.imprensaviva.com/

0 comentários:

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

Comentarios