quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Operação Greenfield: Polocci fecha terceiro acordo de delação premiada


Palocci foi ministro da Fazenda no 1º mandato do ex-presidente Lula, agora preso
O ex-ministro-chefe da Casa Civil e da Fazenda Antonio Palocci fechou seu terceiro acordo de delação premiada. O compromisso foi realizado junto ao Ministério Público Federal, em Brasília, e vigora no âmbito da Operação Greenfield, que apura desvios nos fundos de pensão.
O ex-ministro tem prestado depoimentos desde a segunda-feira (7). Apesar de ter firmado acordo, a 10ª Vara de Brasília ainda precisa homologar o texto.
Entre os temas que Palocci deve abordar está a influência do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva nas empresas Funcef e Petros para que se tornassem acionistas na Norte Energia, dona da Usina Hidrelétrica de Belo Monte.
Essa não é a primeira vez que Palocci cita o ex-presidente no âmbito da Operação Greenfield. Em 2018, antes mesmo do acordo, o ex-ministro disse aos investigadores que Lula interferia nos investimentos dos fundos de pensão desde a década de 1990, quando teria recebido propina relacionada à Usina de Belo Monte.“Que em outros casos de atuação direta do ex-presidente Lula, como dos caças, com atuação do presidente francês, receberam vantagens Lula e o PT, ou no caso de Belo Monte”, explicou Palocci na época. Ele ainda citou, naquela mesma ocasião, o ex-presidente da Funcef, Guilherme Lacerda, dizendo que ele atuava de forma “mais ampla em receber ilícitos” e que fazia pouca resistência ao repasse de valores dos investimentos dos fundos para o PT e campanhas políticas.
*com informações do Estadão Conteúdo
Postar um comentário

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

Comentarios