sexta-feira, 7 de junho de 2019

Adeus real? Bolsonaro quer mudar a moeda do Brasil e a nova já tem nome

O presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, está indicando grandes mudanças que o Brasil pode ter nos próximos meses ou anos. A última troca de moeda no país foi para o real, feita pelo ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso (FHC).
Na época, a moeda brasileira ficou muito valorizada, portanto, os brasileiros acharam positiva a troca para a moeda que se mantém até hoje e aos poucos foi perdendo seu valor em relação ao dólar.A intenção do presidente Bolsonaro é de aproximar cada vez mais o Brasil de outros países, principalmente da América do Sul. O projeto que está na mente do presidente é de se expandir no Mercosul (Mercado Comum do Sul), e criar uma moeda única entre Brasil e Argentina.
O comunicado desta intenção foi feito pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que acha o ‘casamento’ um ótimo negócio para o Brasil. O nome da moeda seria peso-real e aos poucos outros países iriam aderir também a mesma.Bolsonaro comparou o peso-real com o euro, pois em toda a Europa tem uma moeda só. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, se posicionou contra a intenção do presidente da República, pelo seu Twitter: “Será? Vai desvalorizar o real? O dólar valendo R$ 6,00? Inflação voltando? Espero que não.”
Segundo Guedes, é possível que futuramente exista somente cinco moedas no mundo, as separando por continente, e não por país. Na visão do ministro, o Brasil ‘engoliria’, economicamente, os outros países da América Latina, pois a possibilidade poderia se expandir para pouco mais da América do Sul.

0 comentários:

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

Comentarios